Aprenda a usar a crase

Muitos são os visitantes que procuram este blog ou indicam para que o amigo aprenda a usar a crase. Dia a dia este é um dos assuntos que mais trazem visitantes para o este site e para o Análise de Textos, meu outro site voltado para o estudo da Língua Portuguesa, é a crase. Lá, por exemplo, o artigo mais visitado é um de exercícios de crase com gabarito. Já passamos, neste artigo, da média de 15 mil acessos mensais. Todos sabem a definição, mas poucos sabem as regras mais básicas sobre o assunto. Pouca gente percebe, por exemplo, o quanto a crase é importante na hora de construir um texto. Imagine uma crase mal colocado ou até ausente. A falta dela pode mudar até mesmo o significado de uma palavra caso seja um verbo de dupla regência e de significados diferentes. Falo disso sempre para os alunos, mas é somente na hora em que escrevemos um texto e recebemos uma nota não muito animadora é que nos lembramos das dicas simples que os professores sempre eram em sala de aula. Se você fará vestibular, enem ou mesmo se prestará algum concurso, leia este artigo com tudo que você precisa saber para usar, e usar bem a crase.
Vamos então à definição para iniciarmos este artigo ensinando a usar a crase:

Crase: fusão (ou contração) de duas vogais idênticas numa só. Em linguagem escrita, a crase é representada pelo acento grave.

Neste artigo você verá:

Orientações iniciais sobre como usar a crase
Regras para o uso da crase
Nunca use crase nestes casos
Casos facultativos de uso da crase

Para começar nosso estudo, observe o exemplo a seguir:

Perguntei à menina o nome dela.

O verbo perguntar requer a preposição a, e o substantivo menina pede o artigo a. Ocorre contração da preposição a com o artigo feminino a ou com o pronome a e o a inicial dos pronomes aquele(s), aquela(s), aquilo que passam pelo processo da crase. Vogais semelhantes são também contraídas, pois a crase é um processo fonológico.
Entretanto, não se usa crase diante de numerais, veja:

Assista ao Festival de inverno: de 12 a 19 de julho.

Para que ocorra o fenômeno da crase, duas condições precisam ser satisfeitas:

  • Deve existir uma palavra, à esquerda do a, que exija a preposição a;
  • Deve existir uma vogal a, à direita dessa preposição, geralmente representada pelo artigo a (pode ser também a primeira sílaba do demonstrativo aquele/o).

Ofereci às crianças do meu bairro vários livros.

É verdade que, em relação à aprendizagem da leitura, a escola tem trabalhado com o conceito do pra­zer de ler […]

A homenagem àquelas mães foi emocionante.

Nesses três exemplos, as palavras da esquerda (ofereci/ relação/homenagem) exigem a preposição a.

As perguntas Ofereci a quem? I Em relação a quê? I Ho­menagem a quem? – atestam isso. Logo, a primeira condi­ção está satisfeita.

As palavras da direita (crianças/aprendizagem/mães) são substantivos femininos e admitem o artigo a/as ou o demonstrativo aquelas. Logo, a segunda condição está satisfeita, obrigando-nos a empregar o acento grave indicativo de crase.

Veja outros exemplos de crase com pronomes de­monstrativos:

Chegaram cestas básicas àquela gente. (a + aquela)

A pergunta “Chegaram cestas bá­sicas a quem?” evidencia a preposição a obrigatória, pedida pelo verbo chegar (chegou algo a alguém).

Orientações iniciais sobre como usar a crase

  • Se os nomes femininos puderem ser substituídos por nomes masculinos, que admitam ao antes deles, usa-se crase. Observe:

Vou à praia.
Vou ao campo.
As crianças foram à praça.
As crian
ças foram ao parque.

  • Com relação a nomes de lugares, podemos aplicar uma regra para saber se ocorre a crase ou não. Temos de substituir o a por para a. Se o artigo for necessário, é sinal de que ocorreu a crase. Observemos os casos a seguir:

Fui à África do Sul.

Aplicando a regra e substituindo a por para, temos:

Fui para a África do Sul.

Ao fazer a substituição, é obrigatório o uso do ar­tigo a; logo, há crase, e o a deve ser acentuado.

Analisemos outro exemplo:

Fui a Johannesburg.

Aplicando a regra: Fui para Johannesburg. O artigo é dispensável; logo, não há crase, e o a não deve ser acentuado.

Se o nome do lugar vier qualificado, ocorre a cra­se:

Fui à grande Johannesburg.

Repare que, nesse caso, podemos usar para a:

Fui para a grande Johannesburg.

  • Com os verbos ir e vir, lembre-se da seguinte dica:

Se vou a e volto da, crase há; se vou a e volto de, crase pra quê?

Vou à Bahia nas férias. (Vim da Bahia)

Fui a Sorocaba no fim de semana. (Vim de Sorocaba)

Regras para o uso da crase

Antes de numeral indicativo de horas

Se as horas forem determinadas, emprega-se a crase.

Sairei às três horas.

Cheguei à meia-noite.

O foguete partirá à zero hora.

Nas locuções adverbiais, conjuntivas e prepositivas femininas

Antes de locuções constituídas de palavras femininas, usa-se o acento indicativo de crase.
Locuções adverbiais: à tarde, à direita, à esquerda, à toa, às vezes, às pressas, etc.
Locuções conjuntivas: à medida que, à proporção que, etc.
Locuções prepositivas: à espera de, à frente de, à custa de, à mercê de, etc.

Fiquei à espera dele por duas horas,
O garoto fez a prova às pressas.
À medida que o tempo passava, Joana se acalmava.

Substantivos casa e terra

Quando as palavras casa e terra apresentarem modificador, usa-se crase:

Vou à casa de Maria.
Nós chegamos à terra de nossos pais.

Quando a palavra casa é empregada no sentido de “próprio lar”, não se usa crase:

A menina havia voltado a casa para buscar um guarda-chuva.
Antes de chegar a casa, o ladrão trocou de camisa e tirou o gorro.

Com sentido de “terra firme”, a palavra terra não é precedida por artigo; portanto, não ocorre crase.

O capitão informou que estamos  quase chegando a terra.
Depois de dois meses de mar aberto,  regressamos finalmente a terra.

Nunca use crase nestes casos

Palavras masculinas

Já pudemos perceber que o sinal de crase não deve ser utilizado diante de palavras que não vêm precedidas do artigo definido feminino. O a que antecede as palavras masculinas é apenas preposição.

Comprarei um notebook a prazo.
O estudante estava a pardo tema da pesquisa.

Entretanto, ocorre crase diante de palavra masculina quando, antes dela, houver uma palavra feminina subentendida:

Ele tem um estilo à Moacyr Scliar. (Isto é, à maneira de Moacyr Scliar.)

A entrevista foi dada à Bandeirantes. (Isto é, à rede de televisão Bandeirantes.)

Fui à Almedina. (Isto é, à editora Almedina.)

Verbo no infinitivo

A loja está com preços a partir de R$ 1,99.
Ele passou a esperar a namorada todos os fins de semana.
Feche as janelas quando as primeiras gotas de chuva começarem a cair.

Pronomes pessoal, de tratamento, demonstrativo, indefinido e relativo

Os pronomes pessoal, de tratamento, demonstrativo, indefinido e relativo não admitem artigos; portanto, não ocorre crase.

Ele se dirigiu a ela com doçura.
Contarei a Vossa Majestade quais são os nossos planos.
Foi só um susto. O macaco nada fez a Dona Maria Helena.
Onde você pensa que vai a esta hora da noite?
Devolva o livro a qualquer funcionário da biblioteca.
Todos os dias agradeço a Deus, a quem tudo devo.

Os pronomes senhora e senhorita admitem artigo. Portanto, diante deles ocorre crase:

Peço uma gentileza à senhora.
O que ele disse àquela senhorita

Artigo indefinido uma

O a que antecede o artigo indefinido uma é preposição; portanto, não leva o acento indicativo de crase.

O policial dirigiu-se a uma senhora vestida de vermelho.
Eu entreguei o envelope a uma fun¬cionária da recepção.

Substantivos repetidos

Moisés ficou face a face com Deus.
De fora a fora, tudo foi pintado.
O escritório foi vistoriado de ponta a ponta.

Palavras no plural precedidas apenas de preposição

Nunca me junto a pessoas que especulam demais.
Eles costumam ir a reuniões do Clube de Montanhismo.

Numerais cardinais

Após o feriadão, o número de vítimas de acidentes de trânsito chega a noventa.
Daqui a três horas embarcarei.

Neste último exemplo, mesmo havendo a palavra horas, não há o acento de crase porque as horas não são determinadas. Observe essa diferença nos exemplos a seguir:

Embarcarei às três horas da tarde.
Daqui a três horas embarcarei.

Nomes célebres e nomes de santos

O artigo reporta-se a Carlota Joaquina de maneira bastante desrespeitosa.
Ela fez uma promessa a Santa Cecília.

Casos facultativos de uso da crase

Nome próprio feminino

Entreguei o cheque à Paula.
ou
Entreguei o cheque a Paula.

Paulo dedicou uma canção à Teresinha.
ou
Paulo dedicou uma canção a Teresinha.

Pronome possessivo feminino

Ele fez uma crítica séria à sua mãe.
ou
Ele fez uma crítica séria a sua mãe.

Convidei-o a vir à minha casa.
ou
Convidei-o a vir a minha casa.

Preposição até

A preposição até pode ou não vir seguida da preposição a. Quando o autor dispensar a preposição a, não haverá crase.

Correremos até à praia.
ou
Correremos até a praia.

Dormiremos até às oito horas.
ou
Dormiremos até as oito horas.

Se quiser praticar com alguns exercícios de múltipla escolha, acesse nossos exercícios de crase com gabarito.

Aprenda a usar a crase
Rate this post

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*