Exercício de Literatura sobre Trovadorismo

Este é um artigo em que falaremos brevemente sobre Trovadorismo. Após isso, faremos alguns exercícios bastante simples de Literatura a partir de períodos literários que tenho trabalhado em sala de aula. Leia a teoria inicial e depois os exercícios que proponho. Eles são a compilação de quatro outros artigos já publicados aqui e que, agora, fazem parte deste.

Entenda o Trovadorismo

Inicia-se em meio ao feudalismo, durante a consolidação de Portugal como um reino independente de Leão. A Primeira Época Medieval (do século XII ao início do século XV) termina em 1418, ano em que Fernão Lopes é nomeado guarda-mor da Torre do Tombo.

Quais as características do Trovadorismo?

  • Teocentrismo
  • Moralismo religioso
  • Literatura espiritual
  • Amor cortês (amor educado e comedido típico da Corte)
  • Vassalagem amorosa (servilismo do trovador em relação à dama)
  • Espírito de aventuras (novelas de cavalaria)
  • Predomínio do sentimento.

Como foi a produção literária deste período

As Cantigas Líricas:

  • de Amor (o “eu-poético” é masculino, declarando seu amor a uma mulher);
  • de Amigo (o “eu-poético” é feminino, lamentando a ausência do amado).

As Cantigas Satíricas:

  • de Escárnio (zombam indiretamente de alguém);
  • de Maldizer (satirizam diretamente uma personagem qualquer).

Estas eram composições feitas para serem cantadas com acompanhamento musical e dança.

As Novelas de Cavalaria:

Originárias das canções de gesta (narrativas de temas guerreiros), as novelas de cavalaria passaram a ser traduzidas, circulando em Portugal a partir do século XIII. O herói era um cavaleiro medieval que defendia o bem contra o mal passando por muitas aventuras. Concebido segundo os padrões da Igreja, o cavaleiro era casto, fiel e dedicado à honra cristã. As novelas do ciclo bretão (que têm o rei Artur ou seus cavaleiros como heróis) caíram no gosto popular português, como Amadis de Gaula (o romance de Amadis e Oriana) e A Demanda do Santo Graal (o cálice sagrado, encontrado pelo cavaleiro vitorioso, Galaaz).

Veja um modelo dos exercícios que você encontrará em seguida.:

Sobre a poesia trovadoresca em Portugal, é INCORRETO afirmar que:

a) refletiu o pensamento da época, marcada pelo teocentrismo, o feudalismo e valores altamente moralistas. b) representou um claro apelo popular à arte, que passou a ser representada por setores mais baixos da sociedade. c) pode ser dividida em lírica e satírica. d) em boa parte de sua realização, teve influência provençal. e) as cantigas de amigo, apesar de escritas por trovadores, expressam o eu-lírico feminino.

Nesta questão, a alternativa a ser assinalada é a B. Ficou na dúvida sobre a resposta Confira abaixo o porquê da escolha.

1) Em meados do século XIV, a poesia trovadoresca entra em decadência, surgindo, em seu lugar, uma nova forma de poesia, totalmente distanciada da música, apresentando amadurecimento técnico, com novos recursos estilísticos e novas formas poemáticas, como a trova, a esparsa e o vilancete.

Vamos ver agora mais alguns exercícios sobre Trovadorismo. Confira depois o gabarito.

1. Assinale a alternativa em que há um trecho representativo da tendência que é tema deste artigo.

a) Non chegou, madre, o meu amigo, e oje est o prazo saido! Ai, madre, moiro d’amor!

b) Êstes olhos nunca perderán, senhor, gran coita, mentr’eu vivo fôr; e direi-vos fremosa, mia senhor, dêstes meus olhos a coita que han: choran e cegan, quand’alguém non veen, e ora cegan por alguen que veen.

c) Meu amor, tanto vos amo, que meu desejo não ousa desejar nehua cousa. Porque, se a desejasse, logo a esperaria, e se eu a esperasse, sei que vós anojaria: mil vezes a morte chamo e meu desejo não ousa desejar-me outra cousa.

d) Amigos, non poss’eu negar a gran coita que d’amor hei, ca me vejo sandeu andar, e con sandece o direi: os olhos verdes que eu vi me fazen ora andar assi.

e) Ai! dona fea, foste-vos queixar por (que) vos nunca louv’em meu cantar; mais ora quero fazer um cantar, em que vos loarei toda via; e vedes como vos quero loar. dona fea, velha e sandia!

2. Assinale a alternativa INCORRETA com relação à Literatura Portuguesa:

a) O ambiente das cantigas de amor é sempre o palácio, com o trovador declarando seu amor por uma dama (tratada de “senhor”, isto é, senhora). Daí o relacionamento respeitoso, cortês, dentro dos mais puros padrões medievais que caracterizam a vassalagem, a servidão amorosa. b) O teatro vicentino é basicamente caracterizado pela sátira, criticando o comportamento de todas as camadas sociais: a nobreza, o clero e o povo. Gil Vicente não tem preocupação de fixar tipos psicológicos, e sim a de fixar tipos sociais. c) O marco inicial do Romantismo em Portugal é a publicação do poema “Camões”. Todavia, a nova estética literária só viria a se firmar uma década depois, com a Questão Coimbrã, quando se aceitou o papel revolucionário da nova poesia e a independência dos novos poetas em relação aos velhos mestres. d) Eça de Queirós, em sua obra, dedica-se a montar um vasto painel da sociedade portuguesa, retratada em seus múltiplos aspectos: a cidade provinciana; a influência do clero; a média e a alta burguesia de Lisboa; os intelectuais e a aristocracia. e) A mais rica, densa e intrigante faceta da obra de Fernando Pessoa diz respeito ao fenômeno da heteronímia que deu aos poetas Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos biografias, características, traços de personalidade e formação cultural diferentes.

3. (Faap) – Releia com atenção a estrofe:

Fez-se de amigo próximo o distante Fez-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente.

Tomemos a palavra AMIGO. Todos conhecem o sentido com que esta forma lingüística é usualmente empregada no falar atual. Contudo na Idade Média, como se observa nas catingas medievais, a palavra amigo significou:

a) colega b) companheiro c) namorado d) simpático e) acolhedor

4. (Vunesp) – Assinale a alternativa INCORRETA com relação à Literatura Portuguesa:

a) O ambiente das cantigas de amor é sempre o palácio, com o trovador declarando seu amor por uma dama (tratada de “senhor”, isto é, senhora). Daí o relacionamento respeitoso, cortês, dentro dos mais puros padrões medievais que caracterizam a vassalagem, a servidão amorosa. b) o teatro vicentino é basicamente caracterizado pela sátira, criticando o comportamento de todas as camadas sociais: a nobreza, o clero e o povo. Gil Vicente não tem preocupação de fixar tipos psicológicos, e sim a de fixar tipos sociais. c) o marco inicial do Romantismo em Portugal é a publicação do poema “Camões”. Todavia, a nova estética literária só viria a se firmar uma década depois com a Questão Coimbrã, quando se aceitou o papel revolucionário da nova poesia e a independência dos novos poetas em relação aos velhos mestres. d) Eça de Queirós, em sua obra, dedica-se a montar um vasto painel da sociedade portuguesa, retratada em seus múltiplos aspectos: a cidade provinciana; a influência do clero; a média e a alta burguesia de Lisboa; os intelectuais e a aristocracia. e) A mais rica, densa e intrigante faceta da obra de Fernando Pessoa diz respeito ao fenômeno da heteronímia que deu aos poetas Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos biografias, características, traços de personalidade e formação cultural diferentes.

5. (Mackenzie) – Assinale a alternativa INCORRETA a respeito das cantigas de amor.

a) O ambiente é rural ou familiar. b) O trovador assume o eu-lírico masculino: é o homem quem fala. c) Têm origem provençal. d) Expressam a “coita” amorosa do trovador, por amar uma dama inacessível. e) A mulher é um ser superior, normalmente pertencente a uma categoria social mais elevada que a do trovador.

6. Assinale a alternativa INCORRETA com relação à Literatura Portuguesa:

a) O ambiente das cantigas de amor é sempre o palácio, com o trovador declarando seu amor por uma dama (tratada de “senhor”, isto é, senhora). Daí o relacionamento respeitoso, cortês, dentro dos mais puros padrões medievais que caracterizam a vassalagem, a servidão amorosa. b) O teatro vicentino é basicamente caracterizado pela sátira, criticando o comportamento de todas as camadas sociais: a nobreza, o clero e o povo. Gil Vicente não tem preocupação de fixar tipos psicológicos, e sim a de fixar tipos sociais. c) O marco inicial do Romantismo em Portugal é a publicação do poema “Camões”. Todavia, a nova estética literária só viria a se firmar uma década depois, com a Questão Coimbrã, quando se aceitou o papel revolucionário da nova poesia e a independência dos novos poetas em relação aos velhos mestres. d) Eça de Queirós, em sua obra, dedica-se a montar um vasto painel da sociedade portuguesa, retratada em seus múltiplos aspectos: a cidade provinciana; a influência do clero; a média e a alta burguesia de Lisboa; os intelectuais e a aristocracia. e) A mais rica, densa e intrigante faceta da obra de Fernando Pessoa diz respeito ao fenômeno da heteronímia que deu aos poetas Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos biografias, características, traços de personalidade e formação cultural diferentes.

Gabarito dos exercícios de Literatura sobre Trovadorismo:

1 – C, 2 – C, 3 – C, 4 – C, 5 – A, 6 – C.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*