Temas de redação no Enem 2016

Ao longo dos últimos anos, a redação do Enem ganhou um peso enorme. Na verdade, o processo todo tem sido visto pelas instituições de ensino públicas ou privadas como parte do processo seletivo de seus alunos. Além disso, não são poucas as escolas que usam o desempenho de seus alunos para usar como propaganda para atrair novos alunos. Isso leva a uma cobrança maior por parte das escolas sobre professores e dos professores sobre os alunos.
Dessa forma, surgiram muitos cursos que pretendem ensinar os alunos a escrever um texto nota 1000 e a evitar as falhas que podem eliminar as chances dos candidatos.

VEJA aqui os erros mais comuns nas redações do Enem.

Nesse contexto todo, muitas instituições têm dado atenção especial na preparação de alunos para se saírem bem na redação, uma das competências exigidas pelo Exame Nacional de Ensino Médio. Entre todas as provas aplicadas nesta avaliação, ela é a única em que as notas realmente valem de zero a dez. Nos demais cadernos, nos quais constam as questões objetivas, a pontuação é feita num método específico, que recebe o nome de Teoria da Resposta ao Item (TRI).

A prova de redação do ENEM é avaliada por cinco competências. Em cada uma delas, o candidato pode receber uma nota que varia de 0 a 200. A soma dos cinco itens pode fazer com que o texto receba a nota 1.000. No caso de o inscrito utilizar o Prouni (Programa Universidade para Todos) para ingressar numa instituição de ensino superior a redação pode ter um peso de até 50% no processo seletivo.

Ainda que algumas instituições usem estas notas como reflexo da qualidade do ensino praticado ali, o próprio Ministério da Educação afirmou que a nota do ENEM serve de parâmetro, especialmente, para o corpo docente focalizar esforços e potencializar aquilo que tem tido um resultado interessante. Pensando na formação integral dos educandos, não se pode restringir o desenvolvimento deles somente ao resultado publicado pelo MEC.

O exame realizado pelo  MEC busca, na prova de Linguagens, avaliar se o aluno tem as competências necessárias para se expressar bem na modalidade escrita. É avaliado se ele domina a gramática normativa e a interpretação de textos. A prova de redação avalia ainda se o aluno compreende bem os textos dados, seja na coletânea da prova de redação, seja no enunciado dos exercícios.

A prova redação sempre traz uma proposta de caráter social. os temas, pelo menos até hoje, não foram subjetivos como é característica de provas como a da FUVEST, e sempre se espera, como indicado na própria proposta, uma proposta de intervenção social por parte do candidato.

Os temas de todas as propostas de redação do Enem, desde sua concepção até o ano de 2014 foram:

  • 1998: Viver e aprender
  • 1999: Cidadania e participação social
  • 2000: Direitos da criança e do adolescente: como enfrentar esse desafio social
  • 2001: Desenvolvimento e preservação ambiental: como conciliar os interesses em conflito?
  • 2002: O direito de votar: como fazer dessa conquista um meio para promover as transformações sociais que o Brasil necessita?
  • 2003: A violência na sociedade brasileira: como mudar as regras desse jogo?
  • 2004: Como garantir a liberdade de informação e evitar abusos nos meios de comunicação
  • 2005: O trabalho infantil na sociedade brasileira
  • 2006: O poder de transformação da leitura
  • 2007: O desafio de se conviver com as diferenças
  • 2008: Como preservar a floresta Amazônica: suspender imediatamente o desmatamento; dar incentivos financeiros a proprietários que deixarem de desmatar ou aumentar a fiscalização e aplicar multas a quem desmatar?
  • 2009: O indivíduo frente à ética nacional
  • 2010: O trabalho na construção da dignidade humana
  • 2011: Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado
  • 2012: Movimento imigratório para o Brasil no século XXI
  • 2013: Os Efeitos da Implantação da Lei Seca no Brasil
  • 2014: Publicidade Infantil em Questão no Brasil
  • 2015: A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira

Podemos observar que os temas sempre giram em torno de questões sociais. Dentre elas, temos:

  • cidadania;
  • direitos humanos;
  • meio ambiente;
  • educação;
  • convívio social;
  • ética;
  • política;
  • liberdade;
  • comunicação.

Às vezes, no entanto, temos um tema principal e alguns caminhos que podem ser seguidos. Veja, por exemplo, o tema de 2007:

“O desafio de se conviver com as diferenças”

Este tema abrangia questões como discriminação, os inúmeros preconceitos, convívio social, liberdade de expressão (corporal, sexual, religiosa, de informação…)

Com esta postura, o Enem nos mostra que objetiva que os candidatos, além de argumentarem fortemente a favor do seu ponto de vista, atuem como sujeitos autônomos, protagonistas dos seus discursos e cidadãos, não apenas como sujeitos passivos que não tenham nada a dizer, nada a ajudar. A escola, como instituição, tem o dever de formar cidadãos conscientes, proativos e protagonistas de suas vidas e de seus dizeres, já que todos nós temos (e muito) o que falar.

Como ter o que escrever na redação?

Para ter o que escrever na redação do Enem 2016 é preciso adotar uma postura que obriga o aluno a sair da zona de conforto. Manter-se atualizado acerca das pautas cotidianas atuais, com viés social, é fundamental, já que a tradição é a de abordar temas sociais e atuais, como por exemplo, os efeitos da implementação da Lei Seca no Brasil, como foi o caso do Enem 2013.

Tema da redação do Enem

Muitas vezes, as coletâneas de dissertação usam imagens que devem ser interpretadas pelo aluno para que se identifique o tema e, em seguida, o texto possa ser escrito. Há quem diga que chegará o dia em que não escreveremos mais. Usaremos apenas imagens e creio que este processo está bem adiantado. Abaixo você encontrará algumas imagens que tenho usado nas minhas aulas de redação para discussão de temas, identificação de argumentos e também como exercício de análise de texto não verbal.

Imagens para usar na coletânea de temas de dissertação

As imagens abaixo desenvolvem muitos temas. Não me atreverei a dar a vocês uma sugestão visto que nas aulas eu faço com os alunos e as possibilidades são imensas e todas verdadeiramente possíveis. Se você quiser deixar nos comentários suas sugestões, será muito legal.

Charges para usar na coletânea de temas de dissertação

Um tema sobre o qual se tem falado muito e que era cogitado inclusive para tema do Enem 2015 é a Crise Hídrica pela qual os estados do Sudeste passam. Ainda não se chegou a níveis que tragam tranquilidade para a população, mas as chuvas voltaram e eliminaram, pelo menos por um tempo, o risco de racionamento. Outras regiões como no Nordeste a situação que já é bastante difícil, agora chega a níveis insuportáveis. Vale sempre pensar neste tema visto que afeta regiões muitas vezes distantes daquela afetada diretamente. #CriseHídrica

Outro tema bastante discutido e que sempre será possível é a questão ambiental. No final do ano de 2015 a discussão se tornou mais frequente ainda por conta do rompimento da barragem da Samarco, empresa mineradora em Minas Gerais. A situação afetou diretamente milhares de moradores, mas o prejuízo ambiental chega a níveis astronômicos e fala-se, inclusive, que a natureza levará séculos para se recuperar. Algumas espécies de peixes, por exemplo, correm risco de extinção. Veja algumas imagens sobre o tema e que foram publicadas nestes dias pós o acidente.

#titinhas

*** Em construção ***

Matriz de referência para redação do Enem 2016

A redação do Enem, como já foi dito, é elaborada para avaliar o nível de criticidade do aluno sem deixar de lado a capacidade de expressar-se usando a norma culta padrão. O aluno, ou melhor, do aluno é exigido que, a partir de uma situação-problema e de subsídios oferecidos, realize uma reflexão escrita sobre um tema de ordem política, social ou cultural, produzindo um texto dissertativo-argumentativo em prosa. Vejamos agora qual a matriz de referência para a realização da prova de redação e sua correção.

imagem-inscrição-enem-2016-online

I – Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa.

  • Nível 0: Demonstra desconhecimento da modalidade escrita formal da língua portuguesa.
  • Nível 1: Demonstra domínio precário da modalidade escrita formal da língua portuguesa, de forma sistemática, com diversificados e frequentes desvios gramaticais, de escolha de registro e de convenções da escrita.
  • Nível 2: Demonstra domínio insuficiente da modalidade escrita formal da língua portuguesa, com muitos desvios gramaticais, de escolha de registro e de convenções da escrita. Nível 3: Demonstra domínio mediano da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com alguns desvios gramaticais e de convenções da escrita.
  • Nível 4: Demonstra bom domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com poucos desvios gramaticais e de convenções da escrita.
  • Nível 5: Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções da escrita serão aceitos somente como excepcionalidade e quando não caracterizem reincidência.

II – Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das varias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa.

  • Nível 0: “Fuga ao tema/não atendimento à estrutura dissertativo-argumentativa”.
  • Nível 1: Apresenta o assunto, tangenciando o tema ou demonstra domínio precário do texto dissertativo-argumentativo, com traços constantes de outros tipos textuais.
  • Nível 2: Desenvolve o tema recorrendo à cópia de trechos dos textos motivadores ou apresenta domínio insuficiente do texto dissertativo-argumentativo, não atendendo à estrutura com proposição, argumentação e conclusão.
  • Nível 3: Desenvolve o tema por meio de argumentação previsível e apresenta domínio mediano do texto dissertativo-argumentativo, com proposição, argumentação e conclusão.
  • Nível 4: Desenvolve o tema por meio de argumentação consistente e apresenta bom domínio do texto dissertativo-argumentativo, com proposição, argumentação e conclusão.
  • Nível 5: Desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo.

III – Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

  • Nível 0: Apresenta informações, fatos e opiniões não relacionados ao tema e sem defesa de um ponto de vista.
  • Nível 1: Apresenta informações, fatos e opiniões pouco relacionados ao tema ou incoerentes e sem defesa de um ponto de vista.
  • Nível 2: Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, mas desorganizados ou contraditórios e limitados aos argumentos dos textos motivadores, em defesa de um ponto de vista.
  • Nível 3: Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, limitados aos argumentos dos textos motivadores e pouco organizados, em defesa de um ponto de vista.
  • Nível 4: Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, de forma organizada, com indícios de autoria, em defesa de um ponto de vista.
  • Nível 5: Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, configurando autoria, em defesa de um ponto de vista.

IV – Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

  • Nível 0: Não articula as informações.
  • Nível 1: Articula as partes do texto de forma precária.
  • Nível 2: Articula as partes do texto, de forma insuficiente, com muitas inadequações e apresenta repertório limitado de recursos coesivos.
  • Nível 3: Articula as partes do texto, de forma mediana, com inadequações, e apresenta repertório pouco diversificado de recursos coesivos.
  • Nível 4: Articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos.
  • Nível 5: Articula bem as partes do texto e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos.

V – Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

  • Nível 0: Não apresenta proposta de intervenção ou apresenta proposta não relacionada ao tema ou ao assunto.
  • Nível 1: Apresenta proposta de intervenção vaga, precária ou relacionada apenas ao assunto.
  • Nível 2: Elabora, de forma insuficiente, proposta de intervenção relacionada ao tema, ou não articulada com a discussão desenvolvida no texto.
  • Nível 3: Elabora, de forma mediana, proposta de intervenção relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto.
  • Nível 4: Elabora bem proposta de intervenção relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto.
  • Nível 5: Elabora muito bem proposta de intervenção, detalhada, relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto.