A paquera na Literatura do Século 19

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Numa época em que se usa muito a expressão “contatinhos” para se referir às paqueras, conhecer a maneira como as pessoas paqueravam lá no século 19 é, além de interessante, necessário visto que já existem questões de vestibulares sobre livros em que esse tipo de acontecimento é retratado. Um deles é o romance Memórias de um sargento de Milícias. Neste livro vemos a história do romance entre Leonardo e Maria de hortaliça. Leia o trecho abaixo para saber como acontecia a paquera naqueles tempos e, depois, saiba como o Enem e os vestibulares costumam cobrar o conhecimento da obra. É bom que se diga que, nem sempre as questões envolvem o conhecimento do enredo da obra, mas sim os recursos linguísticos usados ali para criar efeitos expressivos e tirar do texto o máximo que ele pode dar.

 

Exercício sobre o livro Memórias de Um sargento de Milícias

 

Pisadela e um beliscão

Leia em Memórias de um Sargento de Milícias um relato da paquera no século 19.

Sua história tem pouca coisa de notável. Fora Leonardo algibebe¹ em Lisboa, sua pátria; aborrecera-se, porém do negócio, e viera ao Brasil. Aqui chegando, não se sabe por proteção de quem, alcançou o emprego de que o vemos empossado, o que exercia, como dissemos, desde tempos remotos. Mas viera com ele no mesmo navio, não sei fazer o quê, uma certa Maria de hortaliça, quitandeira das praças de Lisboa, saloia² rechonchuda e bonitona. O Leonardo, fazendo-se-lhe justiça, não era nesse tempo de sua mocidade mal apessoado, e, sobretudo, era maganão³. Ao sair do Tejo, estando a Maria encostada à borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distraído junto dela, e com o ferrado sapatão assentou-lhe uma valente pisadela no pé direito. A Maria, como se já esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe também em ar de disfarce um tremando beliscão nas costas da mão esquerda. Era isto uma declaração em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e beliscão, com a diferença de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantes tão extremosos e familiares, que pareciam sê-lo de muitos anos.

Manuel Antônio de Almeida, Memórias de um Sargento de Milícias. Unesp 2009.


Glossário:

1 algibebe: mascate, vendedor ambulante.
2 saloia: aldeã das imediações de Lisboa.
3 maganão: brincalhão, jovial, divertido.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Observando as formas verbais fora, aborrecera-se e viera, que aparecem no texto acima, é correto afirmar que representam ações

 

(     ) simultâneas, por essa razão expressas todas no mesmo tempo e modo verbal.
(     ) inconclusas em um tempo anterior ao plano das ações narradas no pretérito imperfeito.
(     ) simultâneas e frequentes no tempo passado, daí a opção pelo pretérito imperfeito.
(     ) situadas em diferentes momentos, por isso expressas em diferentes tempos verbais.
(     ) situadas num tempo anterior ao plano das ações narradas no pretérito perfeito.

 

2. Considere as frases:

O ritual COMEÇAVA depois do jantar.
Seu Francesco VINHA todo encapotado…
Os olhos do leitor BUSCAVAM as páginas do livro…

 

A autora usou os verbos em destaque, que pertencem ao pretérito imperfeito do indicativo, porque esse tempo verbal lhe permitiu apresentar, na narrativa, fatos

(     ) que exprimem ordem, pivodido, convite, conselho ou súplica.
(     ) que costumam acontecer em qualquer época e a qualquer tempo.
(     ) relacionados a um futuro incerto e imprevisível para as personagens.
(     ) passados que eram vistos como duvidosos e hipotéticos.
(     ) passados que se repetiam e eram habituais para as personagens.

 

3. Em qual das alternativas não há a necessária correlação temporal das formas verbais?

(     ) A festa aconteceu no mesmo edifício em que ocorrera o casamento de José Mateus, vinte anos antes.
(     ) Quando Estela descer da carruagem, poderia acontecer-lhe uma desgraça se o cocheiro não dispuser adequadamente o estribo.
(     ) Tendo visto o pasto verde, o cavalo pôs-se a correr sem que alguém pudesse controlá-lo.
(     ) Pelo porte, pelo garbo, todos perceberam que António Sé fora militar de alta patente.
(     ) Se o policial não tivesse intervindo a tempo, teria ocorrido a queda do canhão.

Estes três exercícios já caíram no Enem e outros vestibulares que cobram o conteúdo de Literatura. Prepare-se para s provas, conheça a maneira como elas cobram o conteúdo do Edital e vá mais preparado para o exame. Uma ótima forma de melhorar seu rendimento em provas, seja no Enem, concursos ou mesmo no Ensino Médio, é fazendo um cronograma de estudos. Nos dias corridos em que vivemos isso é mais complicado ainda, por isso procurei um modelo de estudos voltado para quem trabalha e estuda, mas mesmo assim deseja ir mais longe. ele é gratuito, fique tranquilo. Acesse esse link ou clique no botão abaixo.

 

Gabarito dos exercícios de Literatura

 

[sociallocker id=”4910″]

1. E

Situadas num tempo anterior ao plano das ações narradas no pretérito perfeito. As ações marcadas pelas formas verbais “fora, aborrecera-se e viera” estão no pretérito mais-que-perfeito, que indica ações no passado, anteriores a outras ações, também no passado (expressas pelo pretérito perfeito ou imperfeito). No fragmento, a forma verbal que no passado posterior aos fatos expressos pelas três expressões verbais é”alcançou”, que está no pretérito perfeito do indicativo. A alternativa (A) está incorreta, pois as três ações não são simultâneas: há passagem de tempo entre ir a Lisboa, aborrecer-se e vir ao Brasil. A (B) está errada; não se pode dizer que as ações são inconclusas, pois foram encerradas no passado. A (C) não é válida, porque as opções não estão no pretérito imperfeito. Ao contrário de (D), as ações não estão em tempos verbais diferentes.

2. E

Passados que se repetiam e eram habituais para as personagens. O uso padrão do pretérito imperfeito do modo indicativo indica ações que se desenvolvem com certa duração no passado. A opção (A) está incorreta, pois esse modo verbal não indica ordem, pedido, convite, conselho ou súplica (uso típico do modo imperativo). A (B) está errada, porque as únicas formas verbais que podem estar ligadas a diferentes tempos são as nominais, particípio, gerúndio e infinitivo. A (C) não pode ser a resposta, pois não há marcas de futuro em nenhuma das sentenças (o tempo verbal no passado que expressa hipótese é o pretérito imperfeito do modo subjuntivo).

3. B

Quando Estela descer da carruagem, poderia acontecer-lhe uma desgraça se o cocheiro não dispuser adequadamente o estribo. Nessa alternativa, formas verbais “descer” e “dispuser” indicam um fato futuro (estão no futuro do subjuntivo), enquanto”poderia” indica um fato futuro em relação a outro fato no passado (futuro do pretérito). 0 correto seria: Quando Estela descer da carruagem, poderá acontecer uma desgraça se o cocheiro não dispuser adequadamente o estribo.

[/sociallocker]

2 Comentários


    1. Auxiliadora, fico muito feliz que estes exercícios tenham te ajudado. Um grande abraço.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × dois =