O que é predicação verbal?

Neste artigo iniciamos uma série de postagens rápidas com conceitos básicos relacionados à Análise Sintática. Por mais simples que sejam acabam gerando dúvidas nos leitores quando tratamos de assuntos mais profundos. Percebo essa deficiência, principalmente, no ensino Médio. Apesar dos alunos verem isso em quase todas as séries do ensino Fundamental, é necessário retomar o conteúdo ao longo do ensino Médio e muitos ainda veem isso nos cursinhos pré-vestibulares que fazem após completar o Ensino Médio.
O que sabemos e que é certo é que todo enunciado que apresenta verbo é uma oração. Logo, o verbo é o núcleo de qualquer estrutura oracional. Por conseguinte, a análise sintática de uma oração exige que partamos do verbo.  Ora os verbos apresentam complementos verbais, ora não apresentam complementos verbais. São complementos verbais: objeto direto e objeto indireto. O estudo dos complementos verbais é chamado de predicação verbal.

Os auditores analisaram os balancetes.

O exemplo acima é uma oração, pois foi empregado o verbo analisar. É a expressão de uma ação. Está flexionado no pretérito perfeito simples do modo indicativo. Contextualiza-se, portanto, a prática de uma ação, o tempo em que essa ação ocorreu, o agente da ação e o referente passivo à ação executada pelo sujeito agente.

O fiscal está apurando as denúncias.

Temos também uma oração.  Trata-se do verbo apurar  na forma composta. “está” é o seu auxiliar. E “apurando” é o verbo principal no gerúndio. Trata-se de uma locução verbal.

PUBLICIDADE

Os relatórios que foram analisados comprometem a candidatura de Luíza.

Cada verbo é uma oração. Temos acima duas orações. Os termos grifados constituem a primeira oração, com um verbo na forma simples. O termo em negrito  constitui a segunda oração. Nesta, o verbo analisarestá na forma composta, ou seja, verbo auxiliar + verbo principal no particípio. A oração em negrito  integra o sujeito do verbo “comprometem”.

No texto acima falei sobre o que é oração. É um conceito básico para quem deseja aprender um pouco mais sobre Análise Sintática. No artigo de hoje começaremos a ver de forma mais detalhada como ocorrem as relações dentro dos períodos simples e compostos das orações. Faremos isso e estudando hoje o predicado verbal.
Há orações que apresentam complemento verbal (objeto direto e objeto indireto). Transitivos são os verbos que trazem complemento. A transitividade direta ocorre quando entre o verbo e seu complemento não houver preposição, embora haja casos de objeto direto preposicionado. Já a transitividade indireta se caracteriza pelo emprego de preposição entre o verbo e seu complemento. Havendo objeto direto e objeto indireto, temos a transitividade direta e indireta.
E os verbos intransitivos? Intransitivos são os que não trazem complementos verbais. CUIDADO: Existem verbos intransitivos que apresentam preposição, não para formar objeto indireto, mas para compor adjunto adverbial. Observem os exemplos que seguem:

a)    Os cientistas descobriram plausíveis soluções.
Sujeito               v.t.d.             Objeto direto

*  Observe que o verbo em uso é transitivo, ou seja, apresenta complemento. Os cientistas descobriram algo. “plausíveis soluções” complementa o verbo DESCOBRIR. Como o complemento não apresenta preposição, a relação entre verbo e complemento se mostra direta. É bom ressaltar que o sujeito praticou a ação de descobrir  e “plausíveis soluções” recebeu a ação. Todo complemento verbal direto, ou seja, todo objeto direto tem valor passivo.

PUBLICIDADE

b)    Os cientistas necessitam de novos dados.
Sujeito              v.t.i.              objeto indireto

*   Já nesse exemplo, o verbo vai buscar complemento com o apoio de uma preposição. A preposição “de”  caracteriza uma transitividade indireta. Quem necessita, necessita de algo. Justifica-se, assim, a transitividade indireta, pois entre o verbo e seu complemento existe conectivo prepositivo.

c)    As provas trouxeram  complexidades  aos candidatos
Sujeito        v.t.d.i.                 obj. dir.                obj. indir.

*  O que o contexto verbal nos revela? “As provas” trouxeram algo a alguém. Dois são os complementos verbais. Temos o objeto direto e o objeto indireto. O objeto direto é “complexidades” ; o objeto indireto é “aos candidatos”. Verifique, candidato(a), que o objeto indireto está constituído por três classes de palavras: preposição, artigo e substantivo. A preposição “a” e o artigo masculino/plural  “os”  se aglutinam.

d)    Luciano viajou.
v.i.

PUBLICIDADE

*  A intransitividade se justifica pela ausência de complemento verbal. O prefixo “in”  comunica a não transitividade verbal, isto é, o verbo não vai buscar complemento verbal. Intransitivo, portanto, é o verbo que não apresenta complemento verbal ( objeto direto e/ou objeto indireto ).

e)    A polícia chegou ao morro.
v.i.      adjunto adverbial de lugar

f)     Ela assiste em Olinda.
v.i.     adjunto adverbial de lugar

Os dois exemplos acima demonstram que, às vezes, a palavra verbal traz preposição. Todavia, esse conectivo prepositivo não constitui complemento verbal. A preposição “a” do verbo CHEGAR e a preposição “em” do verbo ASSISTIR ( no sentido de morar, residir ) proporcionam a composição de adjuntos adverbiais de lugar. É mister esclarecer que também é comum um verbo apresentar preposição para constituir adjuntos adverbiais. Com isso, podemos concluir que nem sempre a preposição vinda do verbo gera complemento verbal indireto. É como se o verbo chegasse à sua estabilidade com o apoio do adjunto adverbial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − um =