Não cometa estes erros na redação

Quando começamos a estudar um pouco mais as qualidades que um texto, seja ele dissertativo ou não, deve apresentar, passamos a conhecer problemas que a nossa “gramática internalizada” ou mesmo o conhecimento de mundo resolviam. Dois deles, a ambiguidade e a clareza, podem fazer você fracassar na redação e perder a chance de ter uma boa nota em vestibulares, Enem ou mesmo num concurso público. este é o assunto do artigo de hoje. Deixem, no final a avaliação clicando nas estrelinhas e, em seguida, um comentário também.

Qualidades de um bom texto dissertativo

Ao escrever um texto, o autor deve observar certas construções inadequadas que podem dificultar a compreensão do que se quer transmitir. Algumas dessas “armadilhas” são a ambiguidade e a redundância.

AMBIGUIDADE

A ambiguidade pode ser usada para obter um efeito de sentido no receptor. Se ela for produzida de forma involuntária e não tiver essa finalidade como recurso textual, será considerada indevida e inadequada por dificultar a compreensão do texto pelo interlocutor.

PUBLICIDADE

Para obter coesão e coerência é preciso, portanto, evitar essa ambiguidade, causada por pontuação imprópria, por problemas de construção textual e por emprego de palavras com mais de um sentido, que podem gerar, de forma não intencional, mais de uma possibilidade de interpretação. Veja:

O computador tornou-se um aliado do homem, mas esse nem sempre realiza todas as suas tarefas.

O sentido da frase ficou ambíguo, porque as palavras esse e suas podem referir-se tanto a “computador” quanto a “homem”. Tanto este quanto aquele podem não realizar o seu trabalho por completo.

Para que não ocorra ambiguidade, pode-se escrever essa frase assim:

O computador, apesar de ser um aliado do homem, não consegue realizar todas as tarefas humanas.

Observe alguns casos freqüentes de ambiguidade, que podem ser problemáticos, e os sentidos possíveis de cada frase:

a) Problemas com o uso de pronomes possessivos

PUBLICIDADE

Raquel preparou a pesquisa com Sílvio e fez sua apresentação.

(Raquel fez a sua apresentação ou a de Sílvio?)

  • Raquel e Sílvio prepararam a pesquisa, e ambos fizeram a apresentação.
  • Raquel e Sílvio prepararam a pesquisa, e ele fez a apresentação dele.
  • Raquel e Sílvio prepararam a pesquisa, e ela fez a apresentação dela.

b) Problemas com o uso de pronomes relativos

Visitamos o teatro e o museu cuja qualidade artística é inegável.

(É o teatro ou o museu que possui qualidade artística?)

  • Visitamos o teatro e o museu, os quais têm qualidade artística.
  • Visitamos o teatro e o museu, e aquele tem qualidade artística.
  • Visitamos o teatro e o museu, e este tem qualidade artística.

Ambiguidade (quando indevida) dificulta a compreensão do texto pelo interlocutor, por oferecer, de forma não intencional, interpretação dúbia.

c) Colocação inadequada de palavras

PUBLICIDADE

O cliente aborrecido recusou o vinho por causa da safra.

(O cliente era aborrecido ou ficou aborrecido naquele momento?)

  • O cliente recusou aborrecido o vinho por causa da safra.
  • O cliente, que era aborrecido, recusou o vinho por causa da safra.

d) Sentido indistinto entre agente e paciente

A recepção dos noivos foi no salão do clube.

(A recepção foi oferecida pelos noivos ou eles foram recepcionados?)

  • A recepção foi oferecida pelos noivos no salão do clube.
  • Os noivos foram recepcionados no salão do clube.

e) Uso indistinto entre o pronome relativo e a conjunção integrante

PUBLICIDADE

O motorista falou com o passageiro que era gaúcho.

(O motorista era gaúcho ou o passageiro?)

  • O motorista disse que era gaúcho ao passageiro.
  • O motorista conversou com o passageiro gaúcho.

f) Problemas com o uso de formas nominais

O pai viu o filho chegando em casa bem tarde.

(Quem chegou em casa bem tarde: o pai ou o filho?)

  • O pai viu o filho que chegava em casa bem tarde.
  • O pai, ao chegar em casa bem tarde, viu o filho.

REDUNDÂNCIA

A redundância dificulta o entendimento do texto pelo leitor devido ao uso de idéias e palavras repetidas ou desnecessárias, que comprometem a clareza da mensagem. Para evitar essa repetição de idéias, é preciso tirar palavras supérfluas a fim de sintetizar informações e não comprometer a qualidade do texto.

A repetição pode ser um recurso estilístico para estabelecer a coesão no texto. Mas há casos em que é necessário evitá-la, para que a linguagem não fique comprometida e se torne deselegante, inadequada e monótona. Alterar a posição de idéias na construção do texto ou omitir um vocábulo já citado auxilia na eficácia da mensagem que se pretende transmitir. Por exemplo:

Os professores exigiram o pagamento dos salários em atraso, mas o governador não os atendeu.

Veja alguns casos em que a repetição pode constituir um problema textual.

a) Palavras próximas e idênticas:

O povo exige seus direitos, os direitos do povo devem ser respeitados.

b) Repetições exageradas:

O ministro apresentou sua proposta de trabalho, mas o ministro não foi claro em várias questões e as argumentações do ministro não foram aceitas.

Observação: A repetição pode não ser problemática se usada com intenção especial, como em textos humorísticos, publicitários, literários, etc.

Redundância prejudica o entendimento do texto pelo interlocutor devido ao excesso de idéias e/ou palavras empregadas desnecessariamente.

Bônus: tirinhas para exemplificar redundância

5 Comentários


  1. Professor, este tipo de erro será abordado lá no seu curso? Tenho bastante dificuldade em fazer meus alunos perceberem e corrigirem erros assim em seus textos. Queria também que eles fossem mais autônomos para avaliar suas próprias produções.

    Responder

    1. Olá, Amanda, muito obrigado por sua pergunta.

      Eu falo com detalhes sobre o processo de correção de redações e dou dicas sobre como o próprio aluno pode avaliar seus textos. Lá no curso Português Pra Passar 2.0 ainda disponibilizo para download a planilha que eu mesmo uso para correção e dou dicas (para professores) sobre como abordar, nos recados escritos nos textos dos alunos, aquilo que é necessário melhorar.

      Confere neste link tudo mais que tem no curso: https://portuguesprapassar.com/

      Responder

      1. Que maravilha, Rogério. Também quero muito essas dicas para correção das redações. Vou já pagar o meu boleto.

        Responder

        1. Oi, Yolanda, é muito bom saber que confia no meu trabalho e que estará comigo nessa turma do Português Pra passar 2.0. Seja muito bem-vinda.

          Responder

  2. Oi Rogério, muito legal o artigo e os exemplos de tirinhas sobre ambiguidade.
    Tenho uma dúvida sobre como vou receber o curso que você falou em cima. Ele será entregue na minha casa?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − dez =